Vida e morte de Gomes Freire

30016

... [Gomes Freire] não cabe naquele mundo minúsculo que o repele. É impetuoso, diz o que sente: os seus compatriotas são reservados. Dispõe duma generosidade larga e irreflectida – perigosa – de que todos se aproveitam, de uma generosidade que se lhe lê no olhar, que lhe sai do coração tão naturalmente como água duma fonte. O seu primeiro ímpeto é dar: a bolsa, a amizade, as ideias. (...) Se o enganam deita mão à espada. O pior é que não vive entre soldados, num acampamento, mas em Lisboa entre desembargadores e espiões.

Raul Brandão

 

 


BRANDÃO, Raul, 1867-1930 - Vida e morte de Gomes Freire. 1ª ed. Lisboa : Comunicação, 1988. 241, [3] p., [2] f. desdob. ; 21 cm. (Obras completas de Raul Brandão)
PT 20027/88