Camilo Pessanha (1867-1926) | Destaque do mês PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

Camilo

Poeta português, é considerado um dos maiores representantes do simbolismo em Portugal. Nasceu em Coimbra, no dia 7 de setembro de 1867. Em 1884, ingressou na Universidade de Coimbra.
Publicou os seus poemas em revistas e jornais, entre eles, A Crítica, de Coimbra e o Novo Tempo, de Mangualde. Em 1891, concluído o curso de Direito, parte para Macau, colónia portuguesa, na China, para lecionar Filosofia, no recém-criado Liceu de Macau e exercer funções judiciais.
Participou na organização das revistas Orpheu e Centauro, prenunciando o espírito modernista. Em 1922 publicou o seu único livro de poemas Clepsidra, onde estão reunidas as características essenciais do simbolismo português.
Os seus poemas simbolistas influenciaram largamente a geração de Orpheu, desde Mário de Sá-Carneiro até Fernando Pessoa. Desenvolveu uma paixão pela arte e literatura chinesas. Aprendeu a falar cantonês, traduziu poemas da dinastia Ming e foi um colecionador de arte oriental, que veio a doar ao estado português. Postumamente, foi publicado China, uma coletânea de escritos e artigos sobre a cultura chinesa. Camilo Pessanha faleceu em Macau, no dia 1 de março de 1926.