Minha Terra Alta de Azul e Neve
Da Guarda – um rebusco da memória PDF Versão para impressão

13172

(...)
Cheguei à Guarda logo depois da guerra, mas esta não nos livrou dos exercícios físicos militares bem tormentosos...
A Guarda era ao tempo um burgo muito reduzido, pouco passava além das muralhas, com o seu frio arrepiante e nevões abundantes e frequentes, às vezes à altura dos joelhos... E duravam dias sobre o solo!
Nesse ano, o primeiro que cá passei, houve um desses, respeitável, em 27 de Maio! De aterrar os mais valentes e para aprender bem a lição consolavam os recém-chegados soprando-lhes ao ouvido que até já nevara no S. João!

Continuar...
 
Os últimos dias de Franciscanos e Clarissas na Guarda (II) PDF Versão para impressão

13459

Em Maio veio o Decreto do 'Mata Frades'. Que bens? O imóvel do convento, depois quartel, foi avaliado em 2.000.000 reis. Neste valor incluía-se a casa adjacente, com escadinha para o largo, que não era da ordem Franciscana Regular, mas pertencia, de iure e de facto, à Ordem Terceira (secular) de S. Francisco, isto é, a uma associação de leigos que se orientava pela espiritualidade franciscana e recebia direcção espiritual dos conventuais.

Continuar...
 
Os últimos dias de Franciscanos e Clarissas na Guarda I PDF Versão para impressão

13459

Os Últimos Franciscanos

Como estava o Convento de S. Francisco da Cidade quando Joaquim António de Aguiar decretou a extinção das Ordens Religiosas e a nacionalização dos bens conventuais?
A seção do Arquivo Histórico do Finanças, (Inventário n.º 177, na Caixa n.º 2218) conservada no Arquivo Nacional da Torre do Tombo (Lisboa), dá-nos a imagem possível do estado conventual.

Continuar...
 
José Saramago | Brandas Beiras de Pedra, Paciência PDF Versão para impressão

18391

O homem que não esqueceu

O dia merece o título de glorioso. Não há uma só nuvem no céu, o Sol brilha, o frio é tonificante. Viu a noite um viajante infeliz, vê o dia um contente viajante. Dirão os cépticos que foi por ter dormido e comido, mas os cépticos só nasceram para estragar os simples prazeres da vida, como este de atravessar a praça, comprar o jornal do dia anterior e verificar que as raparigas da Guarda são bonitas, substanciais e olham de frente.

Continuar...
 
Jorge de Sena I PDF Versão para impressão

SENAjorge

(...) em 1978, cumprem-se trinta anos sobre a primeira vez que, em público, me ocupei de Camões, iniciando o que, sem vaidade me permito dizê-lo, tem sido uma contínua campanha para dar a Portugal um Camões autêntico e inteiramente diferente do que tinham feito dele: um Camões profundo, um Camões dramático e dividido, um Camões subversivo e revolucionário, em tudo um homem do nosso tempo, que poderia juntar-se ao espírito da revolução de Abril de 1974 (...)

Continuar...