Carta de agradecimento PDF Versão para impressão

13249 P

(Carta de Adolfo Simões Muller dirigida a Nuno de Montemor)

Devo-lhe, meu querido Nuno de Montemor, numerosíssimas provas de amizade. Se as quisesse recordar a todas, teria quase que contar as estrelas – e talvez houvesse necessidade, para me aproximar da conta verdadeira, de lhes juntar os satélites que os homens andam a colocar no céu quando seria preferível encherem a Terra de luz... mas adiante!
Entre as muitas gentilezas de que lhe sou devedor, permito-me lembrar duas: uma direita ao coração, outra que devia ter chegado ao estômago...
Eu conto.

(...)

Na outra ocasião, mandou-me o Nuno de Montemor, da sua querida e fria Guarda, umas belíssimas morcelas para o meu jantar. Quem as recebeu, porém, foi o Moreira das Neves. E, como a carta que as devia acompanhar, chegou atrasada, que pensou o Poeta? Que elas se lhe destinavam. E vá de as ir comer na companhia do António Correia de Oliveira e do seu irmão João.
Quando o Moreira das Neves soube do equívoco, logo tudo me contou. E eu, de combinação com ele, apressei-me a telegrafar para a Guarda, a agradecer as saboríssimas morcelas que não tinha comido...
Como aqueles pobres que tragam pão seco pensando em mel ou em manteiga, eu engoli naquela noite o meu caldo a imaginar o maravilhoso enchido que, a essas horas, já havia feito as delícias de outros estômagos.
Consolou-me a ideia de que, ao menos, as «minhas» morcelas tinham encontrado o mais justo e glorioso destino.
Tudo isto e muito mais lhe devo. Mas a minha maior dívida de gratidão para consigo deriva, afinal, da leitura das suas obras. Saborosas como as morcelas da Guarda, comovedoras como a sua dedicatória da «Glória e desengano de Herói», grandes como o seu coração de amigo, elas têm sido, em muitos dos seus dias, admiráveis companheiros.
Como agradecer-lhe, senão pedindo-lhe que mande mais?

 

Lisboa, Janeiro de 1960.

Adolfo Simões Muller

 

 


In Subsídios para o estudo da vida e obra de Nuno de Montemor / Fernando Jorge dos Santos Costa. - Guarda : Câmara Municipal, 1981, págs. 49-50.