José Saramago | Brandas Beiras de Pedra, Paciência PDF Versão para impressão

18391

O homem que não esqueceu

O dia merece o título de glorioso. Não há uma só nuvem no céu, o Sol brilha, o frio é tonificante. Viu a noite um viajante infeliz, vê o dia um contente viajante. Dirão os cépticos que foi por ter dormido e comido, mas os cépticos só nasceram para estragar os simples prazeres da vida, como este de atravessar a praça, comprar o jornal do dia anterior e verificar que as raparigas da Guarda são bonitas, substanciais e olham de frente. Põe-as o viajante na memória ao lado das de Arouca, e, seguindo ao longo deste passeio, dá com o museu e entra. Não faltam outros mais ricos, mais bem arrumados, mais obedientes às regras básicas da museologia. Mas, não dando o espaço para melhor e sendo tão diversas as coleções, tem de bastar ao viajante a virtude do que se mostra, e essa não é escassa. Veja-se esta Senhora da Consolação românica, do século XII, feita da mesma pedra que o nicho que a envolve (aqui recorda o viajante o S. Nicolau que em Braga está), veja-se este barroco Salvador do Mundo, robusto e rubicundo, de larga testa desguarnecida, apenas coberto com o pano que lhe cobre as ancas e tendo lançado sobre ele um curto manto vermelho, vejam-se as palmatórias das esmolas para as almas, veja-se a pequenina e maciça Virgem coroada, com um Menino Jesus de rosto feito à sua imagem e semelhança, veja-se o tríptico seiscentista com Santo Antão, Santo António e um bispo, veja-se a pintura de frei Carlos, a Adoração, que tem a um canto uma referência à povoação de Açores, aonde o viajante não deixará de ir. Veja-se a magnífica coleção de armas, as peças romanas, outras lusitanas, os pesos e medidas, as talhas, e também algumas boas pinturas do final do século XIX e deste em que estamos. E há-de também interessar ver aqui reunidas algumas recordações do poeta Augusto Gil, que na Guarda passou a infância. Enfim, o museu da Guarda merece abundantemente que o visitem. É quase familiar, talvez por isso se lhe sinta um coração.

 

 


José Saramago - In Viagem a Portugal / José Saramago ; fotografias de Maurício Abreu. - 14ª ed. - Lisboa : Caminho, imp. 1990.