Jorge De Sena / Eduardo Lourenço PDF Versão para impressão

13172

Lisboa, 15 de Maio de 1977

 

Meu caro Eduardo

 

(...) A 5 ou 6 de Junho, voarei para Lisboa, pois que deverei proferir o sermão do 50º aniversário da presença em Coimbra a 7 (...), e o sermão camoniano, na Guarda a 10, a convite das comemorações que são mais do «emigrante» a que se quer lamber o rabo e a bolsa do que do Camões, emigrante também (fala, em nome da região, e não sei que mais, antes de mim, o Vergílio Ferreira, e depois de mim, o Ramalho Eanes com quem está marcado que eu me encontre amanhã). (...)
A Mécia, que está comigo, manda-te as melhores lembranças.
Recomenda-nos a tua Mulher. E aqui vai o grande abraço muito amigo do sempre teu velho.

 

Jorge de Sena

 

 

Vence, 26 de Maio de 1977

 

Meu caro Jorge
(...) Também tinha seguido a peripécia presidencial. O homem parece-me cheio de boa vontade, mas a entourage empurra-o visivelmente para a conservação. Essa história das "comunidades", de inspiração Adriano Moeira nítida, em si podia ser aceitável, mas temo que faça parte de um "novo lusitanismo", compensador de ilusões perdidas. Além de caça ao franco e ao dólar que sublinhas. Nem por outro motivo se escolheu a Guarda da minha emigração e filiação, para altar de lusitanidade. Cá espero as vossas celebrações ecuménicas pátrio, onde rapei um frio que ainda hoje sinto e que é para mim apenas uma cidade de fantasmas. Como a própria pátria o vai sendo. Ou, com mais verdade e modéstia, eu o fantasma dela.(...)
Boa festa parisiense sob a égide amiga do Pina Martins a quem peço abraces por mim. E para ti e para a Mécia o grande abraço do velho amigo.

Eduardo

 

 


Jorge de Sena e Eduardo Lourenço in Guarda livros : textos e contextos / selecção e org. António José Dias de Almeida. - Guarda : Câmara Municipal da Guarda, 2004.