PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Nasceu em Barracão, concelho da Guarda, cidade onde frequentou o ensino básico e secundário. É licenciado em Língua e Cultura Portuguesas pela Universidade da Beira Interior e possui o grau de Mestre em Ciências da Fala e da Audição pela Universidade de Aveiro.

Foi animador cultural (coordenou o serviço na Câmara Municipal da Guarda), cofundador do Grupo de Teatro Aquilo, que agitou culturalmente a Guarda na poesia, no teatro, no cinema, na música, etc., e mais recentemente do Projéc~.

Dirigiu vários festivais de música, teatro e performance.

Tem obra publicada na área da poesia, dramaturgia ou sob a forma de crónicas. Na área de teatro, para além de ator, escreveu, entre outras, as peças "Culpas", "Bestiário", "Memória de sombras e pedras", "Mão deslizante sábia no amor invisível", "O mal" e "Como um relâmpago".

Foi coordenador dos "Cadernos de Poesia do Grupo de Teatro Aquilo", do "Boletim Oppidana", da coleção de cadernos "O Fio da Memória", da revista "Praça Velha" e dos "Cadernos TMG".

Considerado o maior nome da Poesia Sonora em Portugal, tem discos gravados e realizou atuações em vários festivais da Europa e da América do Sul. Trabalha a nível experimental com a voz desde 1979, altura em que estagiou com a actriz Catherine Dasté em Paris. Poeta sonoro, ator, encenador e programador de eventos culturais, autor de vários livros, diversas plaquetas e poemas-objetos publicados, tem desenvolvido um trabalho contínuo de improvisação vocal para teatro, música, poesia, dança e performance. Para além da voz tem utilizado brinquedos, apitos, silo metálico, buzinas de ar e cornetas de plástico. Participou em vários workshops de improvisação musical e vocal. Américo Rodrigues, pioneiro da poesia sonora em Portugal, lançou o primeiro disco de "música vegetal" (Aorta tocante) onde utiliza um instrumento popular vegetal (pecíolo de aboboreira), cujo som inusual é uma "espantosa" descoberta musical.

Destaca-se também na imprensa escrita e na rádio. Colunista em vários jornais, especialmente no Terras da Beira, foi-lhe atribuído o Prémio Gazeta de Jornalismo Regional e o Prémio Nacional de Jornalismo Regional.

Participou no Anuário de Poesia da editora Assírio & Alvim em 1984, 1986 e 1987, na Seleção de Poesia Portuguesa Tempo Migratório da editora Lumiar e na antologia de poesia Gabravo.

Em 2011 foi homenageado pelo Ministério da Cultura, que lhe atribuiu a Medalha de Mérito Cultural, pelo contributo para o desenvolvimento cultural da região da Guarda.

De 2005 a 2013 ocupou o cargo de Diretor Artístico do Teatro Municipal da Guarda (TMG).

 

Sobre o autor:

Em Portugal, Américo Rodrigues ocupa assim um lugar que bem pode e bem merece ser apontado como único. Sem reproduzir fórmulas, antes procurando sempre reinventá-las, ele situa-se entre

  1. o rigor da palavra escrita;
  2. a exploração dos territórios rítmico, tonal, tímbrico e melódico que lhe chegam do permanente diálogo com a música e;
  3. a expressividade dramática que aparece como factor complementar da performatividade implicada no conceito mesmo de poesia sonora.

Encontra-se assim num território pouco neutro entre música e poesia, um par com larga tradição no fazer poético de todas as culturas, privilegiando militantemente a (in)disciplina da voz e a tra(d)ição da letra, no concretizar de um programa que pode ler-se e ouvir-se muito claramente inscrito na sua poesia.

J. Alberto Ferreira, 2000

Obras:

  • Na nuca (1982)
  • Lá fora: o segredo (1986)
  • A estreia de outro gesto (1989)
  • Património de afectos (1995)
  • Vir ao nascedoiro e outras histórias (1996)
  • Instante exacto (1997)
  • Estevão da Guarda era... da Guarda? : D. Sancho I não escreveu a cantiga "Ai eu coitada como vivo" ? In: Praça Velha : revista cultural da cidade da Guarda. - Ano I, nº 2, 1ª série (Novembro 1997)
  • Cinco novos poetas da Guarda (1998)
  • Cinco poemas à volta do corpo In: Praça Velha : revista cultural da cidade da Guarda. - Ano II, nº 4, 1ª série (Novembro 1998)
  • Nohién e a Sé da Guarda In: Praça Velha : revista cultural da cidade da Guarda. - Ano III, nº 6, 1ª série (Novembro 1999)
  • Wat Out-New music from Portugal. Volume II (1999)
  • Ora doba doba deira doba (200_?)
  • O despertar do funâmbulo (2000)
  • O mundo dos outros (2000)
  • Até o anjo é da Guarda (2000)
  • Panfleto contra a Guarda (2002)
  • Uma pedra na mão (2002)
  • Obra completa - revista e aumentada: 1961-2002 (2002)
  • Língua de trapo (com Leonardo Rodrigues) (2002)
  • Sé Catedral : Nohién e a Sé Catedral. In: Praça Velha : revista cultural da cidade da Guarda. - Ano V, nº 12, 1ª série (Novembro 2002)
  • Alberto Diniz da Fonseca : Monólogo : cena IX : discurso no telhado do laboratório de Marie.In: Praça Velha : revista cultural da cidade da Guarda. - Ano V, nº 12, 1ª série (Novembro 2002) e In: "Até o Anjo é da Guarda" de Américo Rodrigues, edição Aquilo Teatro CRL
  • Aquilo : a aventura no "Aquilo" esquecendo propositadamente a poesia no "Aquilo" In: Praça Velha : revista cultural da cidade da Guarda. - Ano V, nº 12, 1ª série (Novembro 2002)
  • Proposta de itinerário : exposição "Guarda: A memória das coisas" : proposta de itinerário (entre muitos possíveis e impossíveis, prováveis e improváveis) In: Praça Velha : revista cultural da cidade da Guarda. - Ano V, nº 12, 1ª série (Novembro 2002)
  • O mal: a incrível história do homem-macaco português (2003)
  • A tremenda importância do Kazoo na evolução da consciência humana (2003)
  • O capador do Toito (2003)
  • Escatologia (2003)
  • Os nomes da terra (2003)
  • José Augusto de Castro: o idealista rebelde (2003)
  • Bestiário : guião para um espectáculo de teatro cínico. In: Praça Velha : revista cultural da cidade da Guarda. - Ano VI, nº 13, 1ª série (Junho 2003)
  • O livro dos botões / int. Américo Rodrigues. - Guarda : Câmara Municipal, 2003. - (O Fio da memória ; 13)
  • Cestos com asas / coord. Américo Rodrigues (2003)
  • Guarda : a memória das coisas / coord. Américo Rodrigues (2003)
  • Terra beirã, terra tipografada / com Jorge dos Reis, Pedro Salvado, Fernando Paulouro (2003)
  • A fábrica de sais de rádio do Barracão (2004). - (O fio da memória ; 19)
  • Ar livro (2004)
  • O cobertor de papa e as campainhas de bronze de Maçainhas / coord. (2004) [livro + Cd áudio]
  • Poesia, diário e contos : a luz da Sé. In: Praça Velha : revista cultural da cidade da Guarda. - Ano VII, nº 16, 1ª série (Novembro 2004)
  • Mãos que voam / coord. (2004).
  • Guarda vozes / coord. Américo Rodrigues (2004)
  • A transumância e Fernão Joanes : sonhos transumantes / coord. Américo Rodrigues (2004)
  • A Guarda : cem anos : liberdade, justiça, amor e paz / coord. Américo Rodrigues (2004)
  • Trânsito local : trânsito vocal (2004)
  • Aorta tocante (200_?)
  • Grande entrevista : António Telmo, filósofo : pensar o irracional / entrevista e fotos de Américo Rodrigues In: Praça Velha : revista cultural da cidade da Guarda. - Ano VII, nº 16, 1ª série (Novembro 2004)
  • As pedras escritas : o pastor-escrevinhador da Quinta da Taberna / com Ana Leonor Silva. - Guarda : Câmara Municipal, 2004. - (O fio da memória ; 26)
  • Guarda-me na memória / coord. (2004). Publicado com: Praça Velha n.º 16.
  • O trombone de aboboreira, a flauta de eunuco, o umbigo de Vénus e outros brinquedos vegetais-musicais-tradicionais (2005)
  • Abaixo de Zero (2005)
  • 3 pintoras da Alemanha : Gerda Lepke : Ingrid Kerma : Liane Birnberg : / direção artística Américo Rodrigues (2005)
  • Geração em Linha : esculturas de Pedro Figueiredo/ direção artística Américo Rodrigues (2006)
  • Eu sei tudo : esculturas de João Castro Silva / direção artística Américo Rodrigues (2007)
  • Registos banais : pintura de Elizabeth Leite / direção artística Américo Rodrigues [2007].
  • Na colónia penal : libreto e textos de apoio : ópera de câmara baseada no conto de Franz Kafka / direção Américo Rodrigues (2007)
  • Entristecer: o romance de Isabel, a linda
  • O céu da boca (2008)
  • Maria Lino : arte essencial / entrevista conduzida por Américo Rodrigues In: Praça Velha : revista cultural da cidade da Guarda. - Ano XI, nº 24, 1ª série (junho 2008)
  • Grande entrevista : Manuel Poppe : a Guarda é a minha pátria / entrevista conduzida por Américo Rodrigues In: Praça Velha : revista cultural da cidade da Guarda. - Ano XI, nº 23, 1ª série (junho 2008)
  • Ti Ho incontrata a barracão (2008)
  • Escrevo risco / com Jorge dos Reis, Zigud (2009)
  • Julgamento e morte do Galo do Entrudo : 2009 / Américo Rodrigues, António Godinho, Rui Isidro. - Guarda : Câmara Municipal, 2009. (O fio da memória ; 81)
  • Cicatrizando (CD-áudio + 1 livro) (2009)
  • Entrevista imaginária a José Augusto de Castro : a República não é um fim mas um meio In Praça Velha : revista cultural da cidade da Guarda. - Ano XII, nº 27, 1ª série (Junho 2010)
  • Do lenticão ao LSD / Américo Rodrigues. - Guarda : Câmara Municipal, 2011. - (O fio da memória ; 102)
  • Acidente poético fatal (2011)
  • Grande entrevista : A Evelina Coelho / entrevista conduzida por Américo Rodrigues In: Praça Velha : revista cultural da cidade da Guarda. - Ano XIII, nº 30, 1ª série (Dezembro 2011)
  • A casa incendiada (2012)
  • Camões nome de cão com pulgas (2013)
  • Especulações escatológicas: dois poemas de Augusto Gil (2013)
  • O ponto cego (2013)
  • Café Mondego: uma antologia (2013)
  • Porta-voz (poesia sonora, CD) (2014)
  • A lontra é um pouco tontra e outros poemas de amor entre animais (2014)

 


Fonte:

  • ROMANA, José Manuel Trigo Mota da - Antologia de escritores da Guarda : século XII a XX. Guarda : Câmara Municipal da Guarda, 2003. 406 p ; 25 cm PT 201436/03 ISBN 972-8813-16-3
  • RODRIGUES, Américo, 1961 - Património de afectos. 1ª ed. Guarda : Fundação Frei Pedro, 1995. 160 p : il ; 21 cm. PT 93929/95. ISBN 972-96819-0-2
  • RODRIGUES, Américo, 1961 - Os nomes da terra. 1ª ed.. Manigoto : Gupo de Amigos do Manigoto; Junta de Freguesia, 2003. 42 p. ; 22 cm. ISBN 972-98094-4-5
  • RODRIGUES, Américo, 1961 - Vir ao nascedoiro e outras histórias. 1ª ed. Guarda : Américo Rodrigues, 1996. 119 p: il ; 21 cm. PT 105463/96. ISBN 972-95654-1-4

Disponível em: