PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

altNasceu em Melo, Gouveia e faleceu em Lisboa. É filho de António Augusto Ferreira e de Josefa Ferreira.
Embora formado como professor (veja-se a referência aos professores de Manhã Submersa e Aparição), foi como escritor que mais se distinguiu. O seu nome continua actualmente associado à literatura através da atribuição do Prémio Vergílio Ferreira. Em 1992, foi galardoado com o Prémio Camões.
A vasta obra, geralmente dividida em ficção (romance, conto), ensaio e diário, costuma ser agrupada em dois períodos literários: o Neo-realismo e o Existencialismo. Considera-se que Mudança é a obra que marca a transição entre os dois períodos.
Em 1920, os pais de Vergílio Ferreira emigram para os Estados Unidos, deixando-o, com seus irmãos, ao cuidado de suas tias maternas. Esta dolorosa separação é descrita em Nítido Nulo. A neve - que virá a ser um dos elementos fundamentais do seu imaginário romanesco - é o pano de fundo da infância e adolescência passadas na zona da Serra da Estrela. Aos 10 anos, após uma peregrinação a Lourdes, entra no Seminário do Fundão, que frequentará durante seis anos. Esta vivência será o tema central de Manhã Submersa.
Em 1932, deixa o seminário e acaba o Curso Liceal no Liceu da Guarda. Entra para a Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, continuando a dedicar-se à poesia, nunca publicada, salvo alguns versos lembrados em Conta-Corrente e, em 1939, escreve o seu primeiro romance, O Caminho Fica Longe.
Licenciou-se em Filologia Clássica em 1940. Conclui o Estágio no Liceu D. João III (1942), em Coimbra e começa a leccionar em Faro. Publica o ensaio Teria Camões lido Platão? e, durante as férias, em Melo, escreve Onde Tudo Foi Morrendo, mas não chega a publicar. Em 1944, passa a leccionar no Liceu de Bragança, publica Onde Tudo Foi Morrendo e escreve Vagão "J".
Vergílio Ferreira morre em Lisboa, a 1 de Março de 1996 e é sepultado em Melo, Gouveia.


Obras:

 

  • Ficção:
    • 1943 O Caminho fica Longe
    • 1944 Onde Tudo foi Morrendo
    • 1946 Vagão "J"
    • 1949 Mudança
    • 1953 A Face Sangrenta
    • 1953 Manhã Submersa
    • 1959 Aparição
    • 1960 Cântico Final
    • 1962 Estrela Polar
    • 1963 Apelo da Noite
    • 1965 Alegria Breve
    • 1971 Nítido Nulo
    • 1972 Apenas Homens
    • 1974 Rápida, a Sombra
    • 1976 Contos
    • 1979 [Signo Sinal]
    • 1983 Para Sempre
    • 1986 Uma Esplanada Sobre o Mar
    • 1987 Até ao Fim
    • 1990 Em Nome da Terra
    • 1993 Na Tua Face
    • 1996 Cartas a Sandra
    • 19?? A Palavra Mágica

 

  • Ensaios:
    • 1943 Sobre o Humorismo de Eça de Queirós
    • 1957 Do Mundo Original
    • 1958 Carta ao Futuro
    • 1963 Da Fenomenologia a Sartre
    • 1963 Interrogação ao Destino, Malraux
    • 1965 Espaço do Invisível I
    • 1969 Invocação ao Meu Corpo
    • 1976 Espaço do Invisível II
    • 1977 Espaço do Invisível III
    • 1981 Um Escritor Apresenta-se
    • 1987 Espaço do Invisível IV
    • 1988 Arte Tempo

 

  • Diários:
    • 1980 Conta-Corrente I
    • 1981 Conta-Corrente II
    • 1983 Conta-Corrente III
    • 1986 Conta-Corrente IV
    • 1987 Conta-Corrente V
    • 1992 Pensar
    • 1993 Conta-Corrente-nova série I
    • 1993 Conta-Corrente-nova série II
    • 1994 Conta-Corrente-nova série III
    • 1994 Conta-Corrente-nova série IV

 


Fonte:

  • GOMES, Jesué Pinharanda , 1939 - Dicionário de escritores do Distrito da Guarda. Guarda : Jesué Pinharanda Gomes, 1969. 124, [1] p : il ; 24 cm.
  • ROMANA, José Manuel Trigo Mota da - Antologia de escritores da Guarda : século XII a XX. Guarda : Câmara Municipal da Guarda, 2003. 406 p ; 25 cm PT 201436/03 ISBN 972-8813-16-3